O acetil dipeptídeo ganha a Medalha Johnson na entrega dos Prêmios Medalha Johnson de 2021

Nossa jornada para descobrir a solução antienvelhecimento que você sempre quis para sua pele sensível

Entendendo as necessidades do consumidor

Já andou por um corredor cheio de produtos de beleza e se perguntou como eles foram feitos? Embora muito do que você vê possa ser parecido, as inovações por trás deles geralmente diferem, assim como os tipos e tons de pele.

Quando os consumidores procuram nas lojas opções de cuidados antienvelhecimento para a pele, geralmente buscam os ingredientes que há muito foram comprovados como altamente eficazes. Mas para aqueles com sensibilidade na pele – situação que afeta 71% das pessoas1 –, muitas dessas opções podem causar irritação ou desconforto para a pele.

Com essa necessidade não atendida em mente, nossa equipe de cientistas pesquisadores empreendeu uma jornada de oito anos para encontrar uma solução para pessoas com pele sensível. Essa jornada levou ao desenvolvimento de um produto antienvelhecimento transformador e inédito para os consumidores: acetil dipeptídeo, ou MicroDiPeptide229™.

A ciência da pele

Para desenvolver qualquer produto para a pele, os cientistas devem recuar para avaliar e entender verdadeiramente a pele – incluindo sua função, bem como as muitas camadas que a compõem.

Em nossa extensa análise da pele, nossos pesquisadores fizeram uma descoberta inovadora, uma ligação direta entre “inflamação” – inflamação sob a pele – e sinais visíveis de envelhecimento, como fraqueza, flacidez e perda de volume da pele. Essa descoberta levou nossa equipe à criação de uma solução: o acetil dipeptídeo.

Outras pesquisas mostraram o potencial do acetil dipeptídeo para agir sem causar irritação, e este foi um grande momento "eureca" para a equipe. Outro grande momento "eureca" para os pesquisadores foi quando puderam ver o desempenho de sua nova descoberta sob o microscópio. O acetil dipeptídeo teve efeitos rejuvenescedores – e a pele tratada com ele se comportou como se fosse jovem novamente.

“Esta descoberta não apenas ajudou a combater os seis sinais de inflamação”, disse Brenda Edison, do setor de Pesquisa Clínica da Johnson & Johnson. “Mas também atingiu várias propriedades de melhoria da pele de maneiras nunca vistas antes. O acetil dipeptídeo demonstrou ser útil para melhorar a resiliência da pele e foi eficaz em todos os cinco blocos de construção da nossa pele em comparação com a maioria dos produtos para a pele direcionados a apenas alguns. Nossa pesquisa clínica confirmou os benefícios impressionantes, tais como uma pele mais volumosa e firme.”

Doce sucesso

A história do acetil dipeptídeo é um exemplo perfeito de que Roma não foi feita em um dia. O projeto levou quase uma década de colaboração e perseverança, permitindo que a equipe fizesse avançar a ciência do envelhecimento da pele e a ligasse à inflamação. Mas também havia alguns desafios – como encontrar uma fórmula eficaz o suficiente para transformar a pele, mas suave o suficiente para pessoas com sensibilidade cutânea.

Conforme a natureza da pesquisa, nem todos os produtos alcançam a linha de chegada. E mesmo quando alcançam, o sucesso dificilmente é linear. Às vezes, você dá cinco passos para frente, apenas para dar dez para trás. Este projeto não foi exceção, pois houve vários contratempos ao longo do caminho. Mas nossos cientistas dizem que foi isso que tornou o sucesso muito mais doce.

Esta pesquisa recebeu reconhecimento substancial em apresentações de revisão por pares e comunidades profissionais e médicas em todo o mundo. A equipe também foi reconhecida com a Medalha Johnson, a mais alta honraria científica da Johnson & Johnson. Mais importante ainda, os consumidores com pele sensível agora têm acesso aos primeiros produtos antienvelhecimento direcionados e eficazes à base de microdipeptídeos. Isso é o que chamamos de uma situação em que todos saem ganhando.

Veja como estamos aproveitando o poder do acetil dipeptídeo com nossos produtos Exuviance e Neutrogena.

Fonte

1 US Sensitive Skin A&U de 2016