Um dia na vida de um funcionário da J&J Consumer Health.

Um dia na vida: P&D da J&J Consumer Health

O que vem à mente quando você pensa em uma carreira em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D)? Passar seus dias em um laboratório buscando a próxima grande descoberta? Enquanto muitos cientistas da Johnson & Johnson Consumer Health (“JJCH”) fazem exatamente isso, você pode se surpreender com as diversas funções que compõem a equipe de P&D da Consumer Health.

Com seu portfólio global de marcas líderes – de Aveeno® e Neutrogena® a Listerine® e curativos adesivos da marca BAND-AID® –, a JJCH tem profissionais com formação científica trabalhando em todo o mundo em P&D para desenvolver e trazer ao mercado novos produtos seguros e eficazes no atendimento das necessidades dos consumidores. O que é preciso para ser um líder nessa equipe orientada por propósitos baseada na ciência? De Lagos a Tóquio, acompanhamos quatro de nossos profissionais para conhecer um dia na vida de exploradores de P&D.

Impacto poderoso

Provavelmente não é surpresa que aqueles atraídos para uma carreira em P&D sejam inspirados pelo impacto que podem ter na vida não apenas de indivíduos, mas também de comunidades inteiras.

“A terapia de reposição de nicotina ajuda as pessoas a parar de fumar, o que provavelmente é a melhor coisa que você pode fazer pela sua saúde”, explica Tobias Danielsson, diretor associado de pesquisa clínica em cessação do tabagismo da marca1 Nicorette®, com sede em Helsingborg, Suécia. “É tão inspirador saber que um produto isento de prescrição pode mudar a vida dos consumidores.”

Danielsson é químico biomédico por formação e, como associado de pesquisa clínica em cessação do tabagismo, encontrou sua vocação. Ele segue no setor há 29 anos e desempenha um papel fundamental no desenvolvimento de produtos.

Como diretora de química analítica, supervisionando projetos para vários locais globais de P&D a partir de Mumbai, na Índia, Monika Sathe trabalha com uma equipe que aplica a ciência para garantir a qualidade e a segurança dos produtos.

“Abordamos qualquer desafio científico de forma holística. Sempre que abordamos um problema, é com uma mentalidade global", diz Sathe. "Fazemos o nosso melhor para entender as expectativas e, em seguida, aplicar perspicácia científica e metodologias inovadoras para garantir que nossos produtos tenham o desempenho esperado antes de chegarem aos consumidores." 

Aprenda algo novo todos os dias 

Para ser um cientista você deve ter um senso inato de curiosidade, e na JJCH sempre há novos desafios a serem superados e questões a serem exploradas. Yujin Saito, diretor de P&D do Japão, usa sua compreensão dos consumidores para identificar necessidades não atendidas.

Saito compartilhou que a parte de engajamento científico de seu cargo tem sido inspiradora porque “você realmente precisa entender a ciência por trás de nossos produtos para se envolver com os principais líderes de opinião e autoridades reguladoras. Não importa o quanto você saiba, você está aprendendo algo novo todos os dias.” 

Olayinka Oyeneyin, que estudou Farmácia e Química Farmacêutica, juntou-se à JJCH para criar um cargo em Assuntos Regulatórios para a África Ocidental e, em seguida, criou um para a África Oriental. “O que era realmente incrível em relação à minha função aqui é que eu fiz muito mais do que jamais pensei, porque criar esse cargo é como estar em uma start-up. Minha base de conhecimento nos últimos três anos foi realmente ampliada. Agora conheço o processo de ponta a ponta — desde o planejamento da demanda até a previsão, o registro e os cronogramas de envio. Isso é o que eu amo no meu trabalho.” 

“Em P&D, nada é constante”, diz Sathe. “Todos os dias você está lidando com coisas novas, novos desafios, novas tecnologias. E você tem a satisfação de saber que está criando algo que ajuda as pessoas a terem uma vida mais saudável. Você está aplicando a ciência todos os dias.”  

O que é necessário? 

Para ter uma carreira gratificante em P&D, esses líderes destacaram três coisas:

Curiosidade: "Tenha mente aberta, seja curioso e desejoso de aprender", diz Danielsson. “Não há problema em fazer perguntas "bobas". Se você não entende o que está sendo dito, é provável que outra pessoa também esteja se perguntando.”

Colaboração: “A colaboração é fundamental porque, por exemplo, com Listerine podemos criar um sabor que funcione em um país, mas talvez não em outro”, diz Saito. “Temos que colaborar para garantir que as necessidades do consumidor sejam transmitidas para criar um ótimo produto que funcione em diferentes países e seja acessível em todo o mundo.”

Comunicação: “A ciência tem que ser fundida com a arte e simplificada de alguma forma para que você possa comunicá-la aos consumidores que possam não ter formação técnica”, diz Sathe.

1Nicorette® está disponível apenas em alguns mercados fora dos Estados Unidos.